Tudo sobre Neptunes, N*E*R*D e Pharrell Williams

Entevista

Pharrell Williams comenta sobre estilo de Michael Jackson

A revisa digital Dazed publicou há algumas semanas uma entrevista com Pharrell Williams em que ele comentava uma foto de Michael Jackson. A conversa prolongou em uma longa ‘homenagem’ ao Rei do Pop, cheio de elogios e adimirações. Pharrell se mostra realmente um fã de MJ, não só musicalmente, mas também de seu estilo.

“A coisa mais importante que tenho a dizer sobre Michael Jackson é que ele era incrivelmente culto. Um cara super inteligente que mudou os padrões do entretenimento. Minha primeira memória dele é de eu estar em frente da TV, quando criança vendo ele performar. Eu ficava o mais próximo que podia da tela, totalmente hipnotizado. Era a música “Let’s Dance Let’s Shout” e lá estava eu grudado na televisão. Era uma experiencia fenomenal só vê-lo se apresentar. De lá em diante, ele reinventou o padrão do que é ser um artista. Não consigo pensar em nada que tivesse visto antes daquilo, ou depois, que pelo menos chegue perto do que ele fazia, musicalmente e visualmente.

Dito isso, àquela idade, nunca tinha pensado em fazer música inspirado em Michael. Eu nem pensava em fazer música. Nem era uma opção pensar nisso. Eu morava nos subúrbios de Virginia – não era um costume pensar em algo do tipo. Lá você pensava que música era mágica, arte era mágica e filmes eram mágicos, mas não tinha nada ali que cultivava essa mágica, para mostrar que aquilo era possível em sua vida. Havia isto no Michael e era maravilhoso. O que ele fazia parecia uma mágica impossível. Ele era sempre algo totalmente especial.

É claro que naquele época eu não pensava em música como objetivo de vida. Era o que era. Não passava pela minha cabeça pensar em MJ e compara-lo com outro artista daquele tempo; era apenas uma coisa tácita, indiscutível que ele é inerentemente diferente, e algo que você não poderia perder. Ele era o único artista que me chamava atenção na época em que Thriller foi lançado, em 1982, quando eu tinha nove anos. Naquela época não havia dúvidas: você queria parecer com ele, se vestir como ele, e ter a habilidade de dançar que nem ele. Não que ele já não tinha impressionado antes. Para mim, o look de Off The Wall era sensacional também: o terno, a gravata borboleta e o afro. Aquilo que era estilo. Ele sempre teve um ótimo senso fashion. Assim que ele deixou o Jackson Five, ele realmente começou a se expressar; indo a lugares como Studio 54, conhecendo gente, trabalhando para afiar os detalhes que aperfeiçoaram seu talento. Michael estava estudando Walt Disney, desenvolvendo seu amor por animação, filmes antigos e livros interessantes, o que evoluiu tremendamente seu estilo com o passar do tempo.

MJ definitivamente criou sua própria linguagem na moda. Ele nunca usava nada errado e literalmente declarava algo toda vez que se vestia. Eu poderia decodificar ou decifrar? Não. O que estou tentando dizer é, ele não fazia as coisas do nada. Tudo que ele usava e fazia era calculado. Sabia a reação que conseguiria e estava fazendo declarações intrigantes com tudo isso. Eu não consigo dizer o que ele estava pensando. Nesta imagem, por exemplo, em que o mostra entrando em um avião em 1988, época do álbum BAD – que foi outra época maravilhosa de seu estilo – ele estava usando Ray-Ban Wayfarers e jaqueta militar. Posso dizer que havia uma reflexão complexa por trás, e que havia alguma declaração em mente, mas não tenho a audácia de tentar dizer o que era. Temos que apenas aceitar que ele era uma figura super icônica no mundo do entretenimento, e imitável.

Com isso em mente, não posso dizer que alguma vez me esforcei em seguir o estilo de Michael. Eu usei Wayfarers também, por exemplo, mas apenas por causa da sua forma icônica. Eles eram legais. Eles são o que os franceses chamariam de baba-cool, um termo fashion usado nos anos 60 que se considera ser a tradução de boêmia. Mas isso é o que significa para mim e não para MJ. Ele era um cara especial. Eramos camaradas. Tivemos algumas conversas, uma quando o visitei em sua casa e outra quando ele me entrevistou anos atrás para uma matéria de uma revista. Ele era o mais talentoso, interessante, perturbado e iluminado ser humano que eu já topei e, de fato, tive a sorte de encontrar em primeira mão. Mas ele era tão enigmático. Não poderia te dizer o que os óculos simbolizavam para Michael porque ele construiu barreiras incríveis, parâmetros impenetráveis que preveniam uma compreensão mais profunda.

O que posso dizer sobre o estilo do Michael é que não é nada literal, mas era apenas a atitude dele. Eu vejo o senso de liberdade fashion que ele tinha. Ele era um homem que se sentia a vontade em ser ele mesmo e se expressar. Esse é um valor que me inspiro e atribuo isso a ele. Em termos de seu estilo pessoal, ele definitivamente fez sua assinatura.

Você tem que saber o que está fazendo quando está falando de Michael Jackson e seu gosto pela moda. Não sei se correspondi bem. Mas, no entanto, eu diria que eu arranquei uma página do livro dele quando se trata de “marchar conforme a batida da sua própria percussão”. É fácil se sentir ímpar quando folheamos uma revista qualquer vemos que todo mundo realmente se veste como todo mundo. A atitude de definir você mesmo desse jeito é raro: recusando-se a ceder aos que criticam e obstinadamente fazer seu próprio negócio, não se importando com o que dizem. Era isso que Michael era, e que seu estilo era. É algo que eu realmente respeito.”

Fonte: Dazed Digital

Anúncios

Pharrell fala sobre arte com a Whitewall Magazine

Pharrell foi entrevistado pela Whitewall Magazine, em Miami, em seu apartamento. No vídeo ele fala o que tem agradado ele artisticamente. Revela ser fã de Takashi Murakamie sempre ficar de olho no que o artista japonês faz, e estar admirado com a nova direção que o artista KAWS está tomando.

Quando perguntado sobre o porque dele estar interessado em descobrir novos talentos, Skateboard P responde que “uma parte é sobre ajudar um novo artista, e a outra é da ideia de descobrir algo e ver isso crescer e tomar o seu destino com sua própria manifestação artística.” Ele continua comentando sobre seu prazer de trabalhar com marcas de roupas e fashionistas, quais sempre lhe dão bom aprendizado.

Fonte: TheNeptunes.Org


Pharrell dando entrevista para a Whitewall Magazine

“Happy Days! On a South Beach roof top doing a Whitewall Magazine interview…”

“Dias felizes! Em uma cobertura em South Beach dando uma entrevista para a Whitewall Magazine…”

Fonte: TheNeptunes.Org & BBC/IceCream Blog


Entrevista com Alyssa Bernal e Pharrell Williams

A entrevista é sobre Alyssa Bernal, que pra quem não sabe foi descoberta no Youtube por Pharrell Williams, e lançou a pouco tempo seu primeiro álbum, ‘Love Hangover’, pela Star Trak.

“Quando ela canta, você vê estrela. E naõ estou falando sobre estrela como celebridade, estou falando de estrelas celestiais. O vibrato dela é como se fosse estrelas brilhando. Não estou dizendo isso para parecer legal, ou gentil com ela. Estou sendo super honesto….” diz Pharrell, que é interrompido por ela afirmando que “é uma das coisas mais doces que já ouvira”.

O frontman da banda N*E*R*D, continua dizendo que estava procurando algo novo na internet e achou “essa garota cantando ‘I’m yours’ do Jason Marz e ficou perplexo com a beleza de sua voz.

Toda essa beleza podemos ver nos dois primeiros vídeos da cantora, e esses são realmente suas principais características. E ao falar dos vídeos Alyssa comenta que foi muito legal poder ser ela mesmo na hora de atuar para as gravações. Então Williams comenta que isso que é importante, porque ao ser descoberta “ela estava sendo ela, no quarto dela, com o violão dela”.

Obtenha mais informações sobre a cantora em seu site oficial: www.alyssabernal.com

Fonte: TheNeptunes.Org & N-E-R-D.skyrock


Pharrell fala do que gosta no mundo fashion em artigo a Vogue de 2008

No verão de 2008 uma edição da resvista Vogue Hommes International descreve Pharrell Williams, o incrível e talentoso rapper, fashionista, produtor e designer, que cita alguns dos seus gostos no mundo da moda e outros mundos.

“Para mim, conforto é tudo,” Pharrell disse a revista, descrevendo seu guarda-roupa cheio de jeans acima do tamanho, uniformes de exército, bonés de caminhoneiro e centenas de tênis. “Sou um fã absoluto de Ralph Lauren. Eu nem conto mais quantas peças de Purple Label e Black Label eu tenho em meu closet. E tenho uma fraqueza pelas marcas japonesas Comme Des Garcons e Watanabe.” A maneira que eles aproximam beleza e conforto me impressiona. Eu também admiro muito Lanvin e Alber Elbaz. E, é claro, por Marc Jacobs, sendo quando ele desenha em seu próprio nome, sendo pra Vuitton.” Pharrell diz que ele “não bebe, não fuma, reza antes das refeições e adora McDonald’s e a série cult Jornada das Estrelas.

Fonte: TheNeptunes.Org


Ol’ Dirty Bastard falando sobre os The Neptunes

ODB a.k.a Ol’ Dirty Bastard a.k.a Dirt McGirt falando sobre os The Neptunes em seu DVD de 2004:  Free To Be Dirty: Live!

R.I.P ODB


Fonte: TheNeptunes.Org


N*E*R*D responde perguntas dos fãs da Alemanha

Alguns fãs de Munique-Alemanha fizeram perguntas online  para Pharrell e Shae e eles responderam na hora! Veja o resultado:

Fonte: TheNeptunes.Org & nerd-pharrell.blogspot